Capítulo 7: Aura Pt3

Capítulo 6 – Aura Pt2

Capítulo 8 – Aura Pt4

Enquanto continuava a andar comecei a sentir uma das sensações que nunca tivera experienciado: medo de ter vivido em mentiras. E não era só isso, também sentia culpa, por ter assassinado o meu irmão, por possivelmente ter induzido Richie à sua morte, por ter deixado que me raptassem o Torchic e abandonado a minha mãe.
Estávamos os quatro a seguir o caminho num túnel dentro de uma rede de esgotos, cheirava pessimamente mal e só consegui deixar de notar o cheiro quando Marlon acidentalmente pisou um Venipede cujo este deu um guincho abafado e fugiu.

Todos estes pensamentos estavam-me a causar náuseas e só não caí no chão inconsciente porque Serena me apanhou a meio do processo.
-Estás bem? – Pergunta-me ela.
Faço o olhar mais rígido e fixo que consigo e digo:
-Sim.

Assim que ouviu estas palavras, Serena retomou a sua conversa com Marlon, sabia que ambos achavam que eu era forte, ainda bem que eles nem sequer imaginam que por dentro eu estou completamente destroçado.

Era estranho ouvi-los a rirem-se e a falarem num tom tão jovial, sei que é devido ao facto de estar habituado a ser o centro das atenções, mas também havia algo que me incomodava no facto de Marlon falar com Serena.

Os meus pensamentos foram interrompidos pela voz penetrante de Joe:
-Subam estas escadas, eu vou primeiro.

Serena esperou que o velho já tivesse movido a tampa do esgoto para então dizer:
-Tens a certeza que podemos confiar nele?

Percebi então que aqueles risinhos e aquela conversa com Marlon foi apenas para dar uma sensação de bem-estar da nossa parte a Joe.
-Tenho, – Digo – sinceramente, têm de parar de se preocuparem comigo.
-Henri, por favor, não recuperes a tua memória. – O tom de Marlon saiu desesperado e sincero.
Porque é que eles se preocupam tanto comigo? Seríamos assim tão chegados no passado?
-Tenho de a recuperar, prefiro morrer do que não saber a verdade. – Digo eu.

Porque fui tão brusco com Marlon, seria porque ele tinha fingido estar a divertir-se imenso com Serena? Sentia-me culpado porque ele apenas o tinha feito para me proteger do homem.
-Como queiras, também não me parece que alguma vez me vás ouvir. – Responde Marlon.
Serena faz-lhe um olhar de censura, mas dentro de mim sei que fui eu que iniciei a discussão com ele.

“Ele não mudou nada mesmo perdendo as memórias, continua o mesmo idiota assassino de sempre”, tinha a certeza de que aquilo era o pensamento de Marlon, não sabia bem como, mas conseguia ler-lhe os pensamentos na minha mente. Foi então que percebi, ele tinha razão.

Estava prestes a explodir, sabia que sim, em breve a minha aura negra iria dominar-me. Não podia deixar que isso acontecesse, nem aqui, nem agora.

Mas já era tarde demais, quando dei por mim já estava a pensar na melhor maneira de esmurrar Marlon, desta vez não podia mesmo deixar isso acontecer.
-NÃO! – Demorei algum tempo a perceber que aquele grito animalesco era meu.

Uma barreira de energia saiu do meu corpo, Serena e Marlon projetaram-se no ar e caíram na água, ambos aterrorizados.
-Ei, porque é que estão a dem… – Joe apareceu e quando reparou no pavimento dos esgotos destruído limitou-se a dizer:
-Parece que a lição número 1 da tua aura já não precisa de ser dada.

De todos os momentos possíveis, o velho conseguiu escolher o pior para se fazer de engraçadinho.
-Mete tanta piada que me esqueci de rir. – Digo irônico e preocupado – O que raio é que se passou?!
-Subam. – Diz Joe.
-Obrigado, Arceus. – Gozo – Não sei o que faria se não me tivesses avisado que eu consigo fazer barreiras de energia.

Agarrei em Serena e Marlon, puxando-os para cima e começámos a subir os esgotos, ninguém disse nada, às vezes não existem palavras para definir o que experienciamos.

Quando chegamos, Joe estava sentado no chão, olhei em meu redor, estávamos num campo florido sem nada perto sem serem carvalhos.
-Estão bem? – pergunto, dirigindo-me a Serena e Marlon.

Ambos acenam que sim. Fiquem preocupado, não era normal isto acontecer, ninguém perdoava uma pessoa tão facilmente depois desta a ter atacado. Estariam eles obcecados por mim? Não, isso era uma ideia estúpida e egocêntrica


Imagem editada e retirada de: IGN walkthrough.

-Bem, vamos começar. – Diz Joe – Sentem-se.
Todos nós obedecemos, por isso continuou a falar:
-Alguma dúvida?
-O que raio era aquela barreira de aura? Como é que consigo ler pensamentos? Como é que sabes tanto de aura? – Inquiro.
-Ainda bem que ninguém tem perguntas a fazer. – Goza Joe.
-Ei! Não me ignore! – reclamo.

O velho revira os olhos e diz:
-Tu fazes muitas perguntas… Aura é a parte espiritual de uma pessoa ou Pokémon, algumas pessoas conseguem manifestá-la melhor do que outras, no teu caso e no meu, conseguimos manifestá-la totalmente. Essa forma de aura tem um poder praticamente invencível, por isso, é procurada por muitas pessoas, como as que estavam a perseguir-te. – Começa Joe – Sei muito de Aura porque consigo manisfestá-la na totalidade e consegues ler pensamentos e criar barreira devido aos teus poderes de aura.
-Mas que raio!? Haviam pessoas atrás de mim? – Pergunto.
-Qual seria outra explicação possível para nós irmos dos esgotos da cidade até um campo? – Diz Joe.

Realmente fazia sentido, se ele nos tivesse contado sobre os nossos perseguidores, eles iriam tentar atacar-nos. Assim, Joe levou-nos para os esgotos porque sabendo que eramos as únicas pessoas de lá, os nossos perseguidores não iriam arriscar serem detetados.
-Tenho duas perguntas… – Suspiro.
-Mais vale responder-te já, de qualquer forma tu vais continuar a insistir até eu te disser o que queres saber. –

Resmunga o velho.
Não esperei mais tempo.
-Qual a necessidade de colocarem uma rede de esgotos num campo? – Questiono.
Joe olhou para mim, visivelmente irritado pela insignificância da pergunta e disse:
-Antigamente, este local servia para fazer experiências relacionadas com Pokémon, mas devido ao perigo e à radioatividade que aquele laboratório colocava nas pessoas e nos Pokémon, acabou por ser fechado. Existem mitos sobre essa fábrica, já que demorou apenas um dia desde o anúncio do seu encerramento para todo o equipamento ser retirado, apenas ficaram alguns vestígios como essa tampa.
Tudo isto me parecia estranho, nada nesta ilha faz sentido, olhei para trás e vi Serena com Marlon a olharem para mim sem sequer piscarem, ignorei-os e perguntei:
-Como é que sabias que estavam pessoas… Oh! Claro, com aura. – Não precisei de terminar a questão.
-Então vamos começar! – Diz Joe autoritariamente – O primeiro procedimento para recuperar as memórias é…
-O primeiro passo não era controlar a aura? – Pergunto, interrompendo Joe.
-Tens razão, enganei-me no primeiro passo! – Exclama o velho, enquanto eu me sentia triunfante por ter corrigido o velho – O primeiro passo é estares calado e não me interromperes.

Senti-me como se me tivessem dado algo fantástico e depois me retirassem e ainda me tivessem colocado pior do que a situação inicial.
-Estou a falar a sério. – Afirmo.

Mais uma vez, Joe revira os olhos e diz:
-Estás completamente instável, é impossível ensinar-te algo tão complexo como a utilização de poderes relativos a aura sem antes teres de volta a tua memória do tempo passado de volta.
Não estava preparado para isto, de repente, o meu mundo começou a andar à volta.
Depois de algum tempo, fiz o que Joe me pediu: sentar-me, não respirar e imaginar o mundo dividido em dois. Depois, imaginei que os mundos se uniam e deixava o meu espirito fluir, mesmo que junto dele viesse a minha aura negra.

Quando abri os olhos, já não estava no campo, encontrava-me num laboratório e à minha frente estava uma porta, que, apesar de não saber o motivo, lembrava-me que esta continha um estreito corredor, repleto de outras portas onde eram realizadas experiências, apesar de já não me lembrar de qual era o motivo da realização destas. Queria mexer-me, mas não conseguia, percebi então que estava a ver uma memória da minha vida na ilha.

Comecei a ouvir o meu pai e Calem, o meu irmão, a falarem por detrás da porta. Espera, o meu pai estava vivo? Claro que sim, ele é o líder da GE.

Em breve vou ter de matar o meu irmão, se não eles vêm buscá-lo, mas isso não será um problema, afinal posso ressuscitá-lo com o… não me lembro do nome dele.
-Tu destruíste a vida de Henri! – Berra Calem para o pai.
Um raio aparece e vou para outra parte da minha vida.

Agora estou com Serena e Marlon, vou usar a minha aura para colocá-los em transe, a partir de hoje eles só se vão preocupar comigo, eu sei que não é simpático da minha parte colocar a minha namorada em transe, mas de qualquer forma, preciso deles os dois para quando eu voltar para a ilha, vou fingir que é um acaso a minha entrada na ilha. Marlon continuará a ter os seus próprios pensamentos, mas será obcecado por mim; Serena terá de ser obcecada por mim e será morta por Archer, se Serena morrer eu irei ficar desesperado e assim irei unir-me de livre vontade a GE. Archer irá buscar-me aos bosques e irá levar-me de volta para o quartel da GE, se isso não funcionar sempre posso tentar ser levado para o quartel quando assistir ao espetáculo com alguém; mas aí GE terá de fingir que está irritada comigo por ter derrotado Archer, se isso também não funcionar, Marlon irá pertencer à GE e irá levar-me para lá também, mas para isso terá de obedecer a um determinado conjunto de variáveis e de uma condição: terei de atacá-lo com aura.

Pisquei os olhos e quando reparei estava novamente no campo florido.
-Como foi? – Perguntou imediatamente Serena, a minha ex-namorada cujo eu coloquei em transe.
-Deixa-o respirar! – Exclama Marlon, o meu amigo obcecado por mim que em breve estará na GE, devido ao ataque da barreira de aura.

O meu pai está vivo, existe uma maneira de ressuscitar o meu irmão, não tenho amigos sem ser por transe, o meu pai foi o líder de uma organização que me atormenta a vida e segundo Calem destruiu-me também a vida, eu trabalhava no laboratória que deu origem a este campo florido.
-Então? – Perguntou Joe.

Parece que ao recuperar uma parte da minha memória também recuperei os meus sentidos de antigamente, porque percebi quando Joe me tentou ler a mente, mas, para a infelicidade dele, também tinha aprendido a bloquear a minha mente dos outros.

Há muito tempo que aprendi a fugir de mim mesmo, a incriminar outra pessoa para me esconder, mas desta vez não vou conseguir fazê-lo.
Serena tentou chegar-se perto de mim, mas eu precisava de um tempo para compreender tudo o que ouvi.
Por isso, criei uma barreira de aura, Joe tentou quebrá-la, mas sem sucesso.

Eu não queria chorar, queria explodir. Por isso, comecei a lançar bolas de aura para todo o lado. A meio do meu acesso de fúria, tropecei e a barreira de aura desapareceu, fazendo com que uma das bolas de aura que lancei acertasse em Serena, ela permaneceu inconsciente.
Foi então que Joe disse:
-Ela está morta.

Nota do Escritor:
Bom, é tudo pessoal. Espero que tenham gostado de mais um capítulo de Mirage Island – Tempo perdido.
Espero que tenham gostado e que não tenha sido “tempo perdido” (Piada seca #001). O lado positivo de Serena ter morrido é que agora pode falar com Calem. (Piada seca #002). Eu sei, eu sei, se era para matar uma rapariga criava a Iris* e depois matava-a. (Piada seca #003).**

*Não tenho nenhum problema contra Iris, apenas decidi mencioná-la visto que é uma das personagens mais odiadas pelos fãns do anime. Aliás, também não gosto muito de Serena já que a sua ausência de personalidade irrita-me no anime.
**A legenda das piadas secas foi colocada para perceber que se tratava de uma piada, portanto riam-se.

Agora a sério, sinceramente estava muito preocupado com este capítulo, tal como o anterior, não ocorreu sequer uma batalha e apenas foram referidos os Venipede como Pokémon.

Para além disso, também ocorreu muito desenvolvimento e estava preocupado que tenha colocado alguma parte que possa sugerir uma dúvida pelo leitor, por isso, neste capítulo criei as noções da história para ninguém se perder. Não se esqueçam de ler o capítulo seguinte já disponível no site de Pkportuga!

Curiosidades do capítulo:
-Quando falei da obsessão de Marlon, acredito que alguns de vocês pensaram que isso seria impossível, já que há poucos minutos atrás ela tivera insultado Henri, mas uma obsessão não significa propriamente uma paixão ou uma amizade muito importante, também pode significar pensares constantemente nessa pessoa, independentemente do teu gosto.

Noções importantes de capítulo:
-Foi descoberto que Henri possuía algumas habilidades devido a utilização de Aura como ler pensamentos, criar barreiras de aura e criar esferas de aura.
-Foi revelado uma parte do passado do Henri em que ele descobriu que tinha namorado com Serena, não se sabe quando se conheceram, nem a antiga personalidade dela.
-Foi revelado que Henri fez com que Marlon e Serena ficassem obcecado por ele, através de aura.
-Foi revelado que era suposto Serena morrer no encontro com Archer e que este fora planeado por Henri.
-Foi revelado que o local em que Henri se encontra, era antigamente usado como uma fábrica para experiências da GE.
-Foi revelado que o pai de Henri esteve vivo na ilha, mas atualmente o seu paradeiro é desconhecido.
-Foi revelado que o pai de Henri era o antigo líder da GE e que, segundo Calem, este destruiu-lhe a vida.
-Serena morreu devido a Henri.
-Foi revelado que o espetáculo que Henri assistiu com Richie tivera sido planeado por ele no seu passado na ilha.
-Foi revelado que Marlon vai-se juntar a GE em breve.
-No passado, foi revelado que Henri queria que quando voltasse a ilha, ficasse tão desesperado que se iria decidir juntar à GE, não se sabe qual o motivo.

Capítulo 6 – Aura Pt2

Capítulo 8 – Aura Pt4

Deixar uma resposta